voltar para outros artigos

11 dicas para não cair na malha fina do Imposto de Renda

Minhas Finanças 19 de fevereiro de 2018

Nem todos os brasileiros economicamente ativos são obrigados a realizar a entrega da declaração do imposto de renda. E mesmo quem precisa declarar o imposto de renda 2018 não necessariamente vai precisar pagar imposto – em alguns casos, poderá até receber parte do valor pago retido na fonte de volta.

Porém, é muito importante que o contribuinte saiba quem deve declarar o imposto de renda 2018 para não deixar pendencias com a Receita Federal, já que ela costuma ser muito rigorosa com o controle das contribuições.

Quem é obrigado a fazer essa declaração?

· As pessoas físicas residentes no Brasil que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 ano ano base;

· Os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;

Quem não precisa?

Pessoas que possuem rendimentos anual menor que R$ 24.751,74, com renda mensal até 1.903,98 (de acordo com a tabela de 2017) ;
Pessoas portadora de doenças graves, que se encaixem nos requisitos impostos na Lei nº 7.713/88;

Para evitar a malha fina, veja as principais dicas:

Precisão nos valores

A precisão dos dados informados na declaração é essencial, principalmente os referentes a números do informe de rendimentos, que trazem as mesmas informações repassadas pelas empresas ao Fisco.

É preciso conferir os dados com muita atenção antes de enviá-los, incluindo os centavos.

Confira as informações

Qualquer divergência é suficiente para a declaração cair na malha fina.

Só devem ser declaradas despesas que possam ser comprovadas, e os valores informados pelas fontes pagadoras ou recebedoras devem estar de acordo com os que o contribuinte declarou.

Cuidado com a digitação de valores

É preciso ficar atento à precisão dos dados digitados. Qualquer erro no preenchimento, inclusive de centavos, já é motivo de malha fina.

Os erros mais comuns estão relacionados ao preenchimento dos rendimentos, do imposto retido e do INSS retido, à omissão mais de uma renda do declarante.

Informe todas as fontes pagadoras e rendimentos

O contribuinte que possua mais de uma fonte pagadora deve informar todos os valores recebidos, sejam eles pagamentos por serviços, pró-labore, salários ou aluguéis, pois a Receita Federal fica sabendo com antecedência qual foi a renda de cada um.

É importante também lançar todos os rendimentos, inclusive dos dependentes, sejam quais forem os valores. Quem aluga algum tipo de imóvel também não pode deixar de declarar os valores recebidos.

Informações sobre dependentes

O contribuinte não pode informar uma pessoa como dependente quando ela já está como dependente em outra declaração do IR.
É importante também não esquecer de lançar os rendimentos dos dependentes.

Despesas médicas de acordo com os recibos

As despesas médicas devem ser lançadas de acordo com as notas fiscais ou recibos emitidos por profissionais ou clínicas, pois a Receita costuma utilizar esses dados para fazer cruzamento de informações.

Lembrando que valores reembolsados pelos planos de saúde não podem ser abatidos.

Não declare gastos fora da lista de deduções

Algumas despesas não são dedutíveis do imposto de renda e, por isso, não devem ser lançadas como, por exemplo, gastos com cursos de idiomas, tratamentos estéticos e despesas médicas de terceiros que não sejam seus dependentes.

Declare aplicações financeiras

É preciso listas todas as instituições financeiras com as quais o contribuinte tenha conta bancária ou vínculo, pois os bancos enviam todas as informações à Receita.

Por isso, devem ser informados saldos de contas correntes, de aplicações e os respectivos rendimentos.

Declare bens e doações

Todos os bens e direitos devem ser declarados.

Não esqueça de declarar vendas

A venda de imóveis com ganho de capital está sujeita ao IR de 15%, a ser pago até o último dia útil do mês seguinte ao recebimento, à vista ou em parcelas.

É necessário preencher o programa Ganho de Capital e depois importar os dados para a declaração de IR.

O eventual ganho auferido com a venda deve ser incluído entre os rendimentos sujeitos à tributação definitiva.

Atenção à declaração de aposentados

Estão isentos e não tributáveis os rendimentos até R$ 24.751,98. Um erro comum é aposentados com mais de 65 anos declararem na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis valores que superem o valor permitido. Valores excedentes ao limite devem ser declarados como rendimentos tributáveis.

 

Fonte: G1