voltar para outros artigos

Aventura por terras e livros

Mandando Bem 16 de outubro de 2017

“Um aventureiro”, assim se auto define Carlos Henriques de Araújo, nascido na cidade de Parnaíba, estado do Piauí. Foi criado em uma casa plantada em um terreno de 50.000 m², cortado por um igarapé e reunificado por uma ponte de madeira.

Foi nesse pequeno universo, onde os dias passavam entre “pescar, pegar passarinhos, nadar e andar a cavalo” que começaram as aventuras pelo reino da imaginação. Certamente, ampliadas ao assistir os espetáculos dos circos que visitavam de quando em quando a cidade.

Na adolescência começou a viajar pelas ondas do rádio, o maior veículo de comunicação da época. Sintonizava a Voz da América e a BBC de Londres para saber coisas do mundo afora.

Nas emissoras nacionais ouvia Jackson do Pandeiro, Nelson Gonçalves, Moreira da Silva, Trio Irakitan e Waldick Soriano.  A medida em que crescia montou seu próprio elenco de artistas prediletos: Cely Campello, Ronnie Cord, Carlos Gonzaga, The Platters e Frank Sinatra. Depois vieram a Bossa Nova, os Beatles, a Jovem Guarda e “muito rock, blues e, hoje, jazz”.

Para cursar o ensino médio da época foi morar em Fortaleza, o que marcou uma nova fase em sua vida. Novos desafios surgem nessa etapa: “independência financeira, o primeiro emprego, planejamento do futuro, a insegurança, o medo do novo e a responsabilidade pelos próprios atos”.

Araújo fez concurso para a Escola de Especialista da Aeronáutica e mudou-se para o interior de São Paulo, depois de formado foi trabalhar em Brasília. Cursou administração e entrou para a Fundação Rondon.

O seu espírito empreendedor e aventureiro fez com que continuasse a busca por se desenvolver, prestou concurso para ingressar na Telepará, foi transferido para a Teleamapá e depois, voltando à sua terra, trabalhou na Telepisa até aposentar-se em 1996.

Viajou por diversas terras para satisfazer “a necessidade de liberdade, a vontade de descobrir novos caminhos e acompanhar o que estava acontecendo no Brasil e no mundo”.

Percorreu também os caminhos interiores por meio da literatura: “o gosto pela leitura começou desde pequeno, primeiro com as revistas em quadrinhos. Os gibis foram seguidos pelos livros de bolso das Edições de Ouro, principalmente os de faroeste. Só mais tarde vieram as coleções de Monteiro Lobato. O leque se ampliou após os dezoito anos, quando passei aos clássicos mais conhecidos da literatura brasileira como Machado de Assis, José de Alencar, Jorge Amado, Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade, entre outros.  Os primeiros autores de outros países foram Charles Bukowski, Jack Kerouac, Herbert Marcuse, Hermann Hesse e os clássicos da literatura mundial.”

O hábito e o prazer de escrever surgiram em consequência da distância geográfica entre o aventureiro e as pessoas que deixou em sua terra natal: “em 1967, para telefonar, além de caro, a gente perdia muito tempo, passava-se horas num posto telefônico esperando completar uma ligação interurbana. Além do mais, na minha casa não tinha telefone. Então, a única maneira para me comunicar com meus pais, com meus amigos e com minha namorada era através de cartas.”

Como fruto de sua dedicação à arte de escrever já produziu cinco livros e tornou-se colaborador de jornais impressos e portais da Internet.

Ao mesmo tempo em que desenvolveu sua trajetória profissional e literária, cultivou uma linda família: “sou casado há 34 anos com Claudia Moita Araújo (dentista) e tenho três filhos André, Ana Carolina (ambos advogados e casados) e Bruna (administradora), com 32, 30 e 28 anos respetivamente. Todos concursados no MPU, moram em Brasília.”

Depois de passar por oito estados e morado em mais de dez cidades foi em Teresina que encontrou “sua cara metade”, por essa razão é um admirador da cidade que considera a sua Meca.

Ao longo da caminhada desenvolveu outra admiração, é um apreciador do trabalho da Sistel: “com a minha entrada na Telepará conheci a Sistel, que até hoje complementa meu salário. Ela foi e continua sendo meu primeiro e único plano de saúde. Criei meus filhos com a excelente cobertura da Sistel.”

Carlos Araújo não para, atualmente administra uma empresa do ramo da construção civil e prossegue sua aventura pelo universo das letras, já publicou os livros “Sem lenço, sem documento”, “Caleidoscópio”, “Versos 100 Rima”, “Sinal Fechado” e “Fragmentos”.

carlos-henrique-de-araujo

A respeito de si mesmo afirma:

“Sou uma pessoa feliz, muito feliz! Tenho tudo que amo e amo tudo que tenho. Minha espiritualidade tem sido a tábua de salvação: fé, trabalho, perseverança e harmonia entre o ser e o ter, o material e o espiritual. Medito todos os dias, faço yoga, caminhada e musculação na academia de segunda a sexta.”

Aos leitores do Perfil Sistel reforça o convite para que continuem a acompanhar o conteúdo de qualidade que é publicado, pois a boa leitura traz benefícios à saúde.




  1. Jose Marinaldo Lula Leite disse:

    Esse nasceu para ser escritor. Adorei o que acabo de ler. Traços de sua trajetória me fez relembrar o meu passado. Ouvi muito rádio, Gostava do Jackson do Pandeiro, Nelson Gonçalves, Sivuca, Orlando Silva, Lí muitos gibis, Pato Donald, Super X, Lí muitos livros das Edições de Ouro. E por coincidência também trabalhei 22 anos nas Telecomunicações da Paraíba (Telpa) onde me aposentei. Sou casado, minha esposa e formada em Enfermagem trabalha na Unimed. Tenho 03 filhos todos já bem encaminhados, São 02 homens e uma mulher. Os homens, um é formado em Biologia, o outro em Administração e a filha formada em Economia. Esse é meu patrimônio que agradeço primeiramente a Deus e seria injusto se não mencionasse que a Sistel me concedeu suporte financeiro para a implantação do meu tesouro. Carlos Araujo gostei bastante do seu escrito. Espero que esse não seja o último. Agradeço a Ana Cristina que por anda só faz coisa boa. Essa revista é uma delas. Abraço a todos e todas.

    • Jaqueline disse:

      José Marinaldo!
      Ficamos muito felizes com seu comentário 🙂
      É muito bom saber que o senhor tem gostado de nossas matérias aqui na Perfil!

      Um abraço!
      Jaqueline Lima

  2. Gercino Ferreira de Santana disse:

    Li e gostei muito do texto do aventureiro Carlos Henrique de Araujo. Que bom. É importante ressaltar que, ele foi e continua sendo um grande colaborador da educação e cultura. Parabéns.

  3. Carlos henriques de Araújo disse:

    Muito boa a matéria.
    Obrigado Jaqueline
    Um abraço,
    Carlos Henriques