voltar para outros artigos

Tesouro Direto, uma oportunidade imperdível

Minhas Finanças 5 de abril de 2017

Hoje em dia é bem comum acompanhar nos veículos de comunicação, recomendações sobre investimento em Tesouro Direto. Porém, muitas pessoas ainda não se sentem suficientemente seguras para fazer suas aplicações.

Entre os colaboradores da Sistel, esse quadro começou a se modificar em razão da iniciativa do Analista de Investimentos, Paulo Alves Ferreira que trabalha na entidade desde 2009. Ele começou a estimular os colegas mais próximos a iniciarem seus investimentos, principalmente compartilhando informações.

Explica que “sempre buscou oportunidades para trazer valor à fundação” e, nesse caso, descobriu algo que poderia contribuir com a qualidade de vida dos companheiros de trabalho.

Depois das conversas nos intervalos, Paulo passou a utilizar a intranet para disponibilizar noções e dados sobre o assunto. E, o mais importante, disseminou a mentalidade de planejamento financeiro pessoal para obter resultados, a partir das seguintes questões: “o que você espera fazer com o dinheiro que irá investir?” e “em quanto tempo pretende alcançar este objetivo?”.

Para cada meta: seja realizar uma viagem, a compra de um imóvel ou o pagamento da faculdade de um filho, é preciso planejar e ser fiel ao compromisso. Mesmo quando confrontado com a afirmativa de que o dinheiro disponível é pouco, explica que é possível começar a partir de R$ 30,00.

  

O que é o Tesouro Direto?

O Diretor de Administração, Finanças e Investimentos da Sistel, Mário Rodriguez Amigo, que atuou em outras importantes instituições financeiras do país e lecionou em centros de excelência como a Fundação Instituto de Administração (Business School) – FIA, explica que o chamado Tesouro Direto “é um programa do Tesouro Nacional para viabilizar o acesso do investidor pessoa física a emissões primárias do Tesouro Nacional. Isso ocorre quando o governo faz uma colocação direta de títulos públicos federais”. Nesse caso, o governo viabilizou uma forma de emitir títulos públicos diretamente para as pessoas físicas.

Walmir Almeida Rodrigues, Diretor de Planejamento e Controle da Sistel, destaca que os títulos emitidos pelo Tesouro se qualificam na modalidade de renda fixa. Isso permite ao investidor estimar o valor a ser recebido no resgate final, ou, na hora de obter os rendimentos. Entretanto, pondera que, mesmo nesses casos, ninguém está livre das oscilações de curto prazo.

 

É preciso conhecer os títulos

Os especialistas enfatizam que é importante conhecer os títulos disponibilizados no programa do Tesouro Direto. O investidor precisa escolher o mais adequado de acordo com o seu objetivo.

Reforça Amigo: “se há uma expectativa de utilização dos recursos no curto prazo, o indicado são as LFTs (títulos pós-fixados, indexados à taxa Selic)”. Porém, se existe um “horizonte de dois anos e não se está preocupado com uma proteção contra a inflação, as LTNs (títulos prefixados) poderão ser uma boa alternativa a ser analisada. Caso possa dispor do recurso em longo prazo, com o objetivo de preservar capital e proporcionar ganhos reais (juros acima da inflação) as NTNs (títulos indexados à inflação) tornam-se elegíveis”.

 

Como começar a investir?

Depois de dar dicas aos seus colegas, Paulo, compartilha com os nossos leitores informações importantes na hora de começar a participar do programa Tesouro Direto:

  • O primeiro passo é contratar uma corretora (denominado agente de custódia), que pode ser ou não vinculada ao seu banco de relacionamento.
  • É importante avaliar quanto a corretora cobra de taxa anual de administração. O Tesouro disponibiliza um ranking (http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-instituicoes-financeiras-habilitadashttp://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-instituicoes-financeiras-habilitadas) de acordo com os valores cobrados.
  • Geralmente, as corretoras vinculadas às instituições financeiras não necessariamente demonstram as condições mais atrativas. Algumas não cobram taxa.
  • Todas as corretoras repassam os recursos para os investidores no mesmo dia em que o Tesouro Nacional os disponibiliza.
  • Escolhida a corretora, é preciso fazer um cadastramento. Após conferir os dados, a empresa escolhida efetivará o cadastro do investidor junto à BM&FBovespa.
  • As operações poderão ser feitas diretamente no portal do Tesouro ou no site da corretora escolhida. Em ambos os casos, os ambientes são seguros.
  • Os títulos adquiridos são registrados pelo CPF do investidor, mesmo quando a operação é feita através de uma corretora.
  • É possível consultar um extrato diário no site da BM&FBovespa e, também, pedir um extrato físico mensal.
  • Há corretoras que fazem operações por telefone, isto é, recebem ordens de compra, venda ou resgate.

Facilidade e tributação

Fazer operações no Tesouro Direto pela internet é bastante prático, requer de cinco a seis cliques para comprar ou vender, os itens são autoexplicativos.

É preciso observar que existe tributação do Imposto de Renda sobre o ganho de capital nessas aplicações. Uma tabela decrescente é utilizada, quanto maior o prazo do investimento menor a alíquota:

  • Alíquota de 22,5% sobre os rendimentos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos e no pagamento de cupons ocorridos até 180 dias após a aplicação;
  • Alíquota de 20% sobre os rendimentos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos e no pagamento de cupons ocorridos no prazo de 181 dias até 360 dias após a aplicação;
  • Alíquota de 17,5% sobre os rendimentos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos e no pagamento de cupons ocorridos no prazo de 361 dias até 720 dias após a aplicação;
  • Alíquota de 15% sobre os rendimentos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos e no pagamento de cupons ocorridos até 720 dias após a aplicação.

Fonte: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/detalhes-da-tributacao-do-tesouro-direto

Os especialistas da Sistel explicam que, no Tesouro Direto, não ocorre o efeito “come cotas”, como acontece nas aplicações em Fundos de Investimentos de Renda Fixa. Nestes, a cada seis meses, acontece a antecipação de tributação dos rendimentos, diminuindo os ganhos.

Satisfação com o Tesouro Direto

A Analista de Comunicação da Sistel, Celeste Arrais, começou a investir no Tesouro Direto depois de trocar ideias com o colega Paulo Ferreira. Agora, explica: “fico esperando o dia de receber o meu salário para investir. Quero mais recursos para aplicar mais e mais”. Diz que não pretende resgatar antes do prazo o que já foi investido: “o que está lá é para cumprir o compromisso firmado no planejamento inicial”.

Destaca que buscar informação é o melhor caminho para quem deseja começar a investir e deixa duas dicas: a primeira é visitar o portal da Easynvest (clique aqui); a outra é acompanhar o canal “Me poupe” de Nathalia Arcuri no Youtube (clique aqui).

Celeste pondera: “a caderneta de poupança me dá mais sensação de segurança, mas não gera o rendimento que o programa Tesouro Direto oferece”. Sim, um dos principais atrativos é justamente o pagamento de juros sobre juros, ou seja, os juros compostos. Rodriguez concorda: “quanto maior o tempo percorrido do investimento, maior é a contribuição do juro em relação ao valor aportado”. Porém, avisa: “as condições de juros corrente se demonstram bastante favoráveis, mas isso não deve durar para sempre, é recomendável aproveitar o momento”.




  1. Geraldo Moraes Medeiros disse:

    Parece interessante!
    Como investir?
    Posso tirar um extrato quando quiser?
    Quem é isento de IR deve pagar sobre os rendimentos?

    • Celeste Arrais disse:

      Olá Geraldo,
      Agradecemos o seu contato com a Sistel. Seguem os esclarecimentos.

      Como investir?

      Primeiramente, você precisa ter uma conta corrente em uma instituição financeira.

      A partir daí você deverá escolher uma instituição financeira, que pode ser um banco ou uma corretora, também chamada de agente de custódia, para intermediar suas transações com o Tesouro Direto.

      Entre em contato com a instituição financeira escolhida e solicite seu cadastramento. Você deverá fornecer a documentação necessária para que essa instituição abra uma conta em seu nome para operar com o Tesouro Direto.

      A partir disso, você receberá uma senha provisória da BM&FBovespa para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto, em que são realizadas as operações de compra e venda, assim como consultas a saldos e extratos.
      Troque a senha provisória por uma nova que deverá conter entre 8 e 16 dígitos, composta por letras, números e caracteres especiais. Pronto! Você já será investidor habilitado e poderá começar a investir.

      Posso tirar um extrato quando quiser?

      O investidor do Tesouro Direto pode obter extratos e consultar saldos a qualquer tempo. Para fazê-lo basta acessar a área restrita do site do Tesouro Direto (após inclusão de CPF e senha), clicar na opção CONSULTAR do MENU SUPERIOR e selecionar o item EXTRATO CONSOLIDADO.

      Quem é isento de IR deve pagar sobre os rendimentos?

      Sim, os impostos cobrados sobre as operações realizadas no Tesouro Direto são os mesmos que incidem sobre as operações de renda fixa, como fundos de investimento e CDBs: IOF regressivo (para aplicações com prazo inferior a 30 dias) e IR regressivo, conforme abaixo:

      22,5% até 180 dias
      20% de 181 a 360 dias
      17,5% de 361 a 720 dias
      15% acima de 720 dias

      O Imposto de Renda só é cobrado no vencimento do título, no recebimento de juros semestrais ou em caso de venda antecipada.

      Cordialmente,
      Celeste Arrais

  2. Osael Gomes da Silva disse:

    Quero investir Cr$1000,00 no tesouro direto, mas nao sei o passo a passo ( me ajude por favor); sou correntista da Caixa Econômica.

    • Celeste Arrais disse:

      Olá Osael,

      Agradecemos o seu contato.

      Encaminhamos sua solicitação para nosso consultor financeiro e ele entrará em contato para prestar os esclarecimentos.

      Cordialmente,

  3. Osael Gomes da Silva disse:

    Fui atendido por Paulo Ferreira, ele me orientou no passo a passo da inscrição no tesouro direto e na aplicação. Apliquei o valor, agora faço o acompanhamento.

    Valeu, abraços;